Arquivo para Tag: camarafria

O CO² é um opção cada vez mais popular devido a suas propriedades ambientalmente amigáveis em comparação com outros refrigerantes mais comuns, como os hidrofluorcarbonos (HFC) ou os hidrofluorcarbonos (CFC), que contribuem para o aumento da capacidade de ozônio e para o aquecimento global.

É utilizado como refrigerante em sistemas de refrigeração e congelamento em câmaras frias, especialmente em aplicações comerciais e industriais. Esta abordagem é conhecida como refrigeração por dióxido de carbono transcrítico (R744). Embora a aplicação de CO² como refrigerante seja eficaz, requer sistemas de refrigeração específicos concebidos para gerir as pressões mais elevadas associadas a este gás.

Como refrigerante tem várias vantagens, entre as quais se incluem:

  • Baixo impacto ambiental: O CO² é um gás natural que não atinge a capacidade de ozônio e tem um baixo potencial de aquecimento global em comparação com outros refrigerantes sintéticos.
  • Eficiência energética: Os sistemas de refrigeração com CO² podem ser altamente eficientes em termos energéticos.
  • Segurança: O CO² não é tóxico nem inflamável, o que o torna seguro para uso em câmaras frias.
  • Disponibilidade: O CO² está amplamente disponível e é relativamente econômico em comparação com outros refrigerantes sintéticos.

No entanto, alguns aspectos também devem ser considerados ao usar CO² como refrigerante. Pressões mais altas poderiam aumentar os custos dos equipamentos e da instalação. Além disso, é necessária uma capacitação especializada para o projeto, a instalação e a manutenção dos sistemas de refrigeração com CO².

Os testes de vazamento em câmaras frias são realizados para garantir que não haja nenhuma fuga de ar ou vazamento de gás refrigerante nas câmaras, o que pode comprometer o desempenho e a eficiência energética do sistema de refrigeração. Existem diferentes métodos e técnicas para testar vazamentos em câmaras frias. Vou descrever alguns dos métodos comuns abaixo:

  1. Teste de Pressão: Nesse método, a câmara fria é pressurizada com ar ou nitrogênio em uma pressão específica e monitorada para detectar qualquer queda de pressão ao longo do tempo. Se houver uma queda de pressão significativa, isso indica a presença de um vazamento.
  2. Teste de Sabão: Esse método envolve a aplicação de uma solução de sabão nas conexões, juntas e áreas suspeitas de vazamento. Se houver um vazamento, bolhas irão se formar na superfície onde o vazamento está ocorrendo.
  3. Teste de Detector Eletrônico de Vazamentos: Esse método utiliza um detector eletrônico de vazamentos sensível aos gases refrigerantes utilizados na câmara fria. O detector emite um sinal sonoro ou visual quando detecta a presença de gás refrigerante vazando.
  4. Teste de Ultrassom: O teste de ultrassom utiliza um equipamento que detecta os sons de alta frequência gerados por vazamentos de gás refrigerante. O técnico passa o equipamento ao redor das conexões e juntas da câmara fria e, caso haja vazamento, o som será captado pelo dispositivo.

É importante mencionar que esses métodos são apenas uma visão geral das opções disponíveis. Dependendo da situação específica e das regulamentações locais, outros métodos podem ser utilizados. Além disso, é recomendado que esses testes sejam realizados por técnicos especializados e em conformidade com as diretrizes e regulamentos aplicáveis.

           Retrofit é uma palavra em inglês que significa “modernização”. No contexto de edificações, engenharia e tecnologia, retrofit geralmente se refere ao processo de atualização ou melhoria de equipamentos, sistemas ou edifícios existentes para torná-los mais eficientes, seguros ou compatíveis com tecnologias atualizadas.

           O objetivo é melhorar a performance, aumentar a vida útil dos equipamentos e sistemas e, às vezes, até mesmo reduzir os custos operacionais. Alguns exemplos de retrofit incluem a atualização de sistemas de iluminação para tecnologias de LED, a modernização de sistemas de aquecimento e refrigeração para melhorar a eficiência energética e a atualização de sistemas elétricos para atender a novos padrões de segurança.

          Retrofit para refrigeração é o processo de atualização ou modernização de sistemas de refrigeração existentes para torná-los mais eficientes, seguros ou compatíveis com tecnologias atualizadas. O objetivo é melhorar a performance e a eficiência energética do sistema de refrigeração, aumentar a sua vida útil e, às vezes, até mesmo reduzir os custos operacionais. Alguns exemplos de retrofit para refrigeração incluem a atualização de compressores antigos para compressores de alta eficiência energética, a adição de novos sistemas de controle de temperatura e a atualização de sistemas de refrigeração para atender a novos padrões de segurança e regulamentos ambientais.

          O retrofit pode ser realizado em câmaras frigoríficas, sistemas de refrigeração comerciais e industriais, bem como em sistemas de refrigeração de veículos.

          Existem várias razões para acionar um retrofit para refrigeração:

  1. Eficiência energética: se o sistema de refrigeração atual estiver gastando muita energia, um retrofit pode ajudar a aumentar a eficiência energética e a reduzir os custos de energia.
  2. Performance de refrigeração insuficiente: se o sistema de refrigeração atual estiver com dificuldade para manter as temperaturas desejadas, um retrofit pode ajudar a melhorar a performance de refrigeração.
  3. Regulamentos atualizados: se houver mudanças em regulamentos ambientais ou de segurança que afetem o sistema de refrigeração atual, um retrofit pode ser necessário para garantir que ele atenda aos novos requisitos.
  4. Manutenção excessiva: se o sistema de refrigeração estiver requerendo frequentes reparos ou manutenção, um retrofit pode ser uma solução mais econômica e eficiente a longo prazo.
  5. Aumento da demanda de refrigeração: se a demanda de refrigeração tiver aumentado, um retrofit pode ser necessário para garantir que o sistema de refrigeração possa atender às novas necessidades.

Em geral, um retrofit para refrigeração é uma boa opção quando o sistema atual não está satisfazendo as necessidades de refrigeração, quando está requerendo manutenção excessiva ou quando houver mudanças regulatórias que afetem o sistema.

Tratando-se de um Sistema de Refrigeração de médio e grande porte, é necessário a realização de procedimentos como o superaquecimento e sub-resfriamento, que nada mais é do que um balanceamento no sistema, prevenindo severos danos no compressor, bem como a quebra dos componentes, comprometendo todo o sistema.

Entendendo um pouco, eles são  responsáveis pela alteração do estado do fluido refrigerante utilizado no sistema, permitindo que ele transite por todas as etapas necessárias.

  • Superaquecimento: 

Processo que transforma o fluido refrigerante em vapor.

  • Sub-Resfriamento:

Processo que transforma o fluido refrigerante que está em vapor em líquido.

As consequências de um procedimento inadequado são altas e pode prejudicar tanto de maneira que seja necessário a troca do compressor e todos os componentes da instalação, portanto, é fundamental que o balanceamento seja realizado corretamente, pois além de aumentar a vida útil dos equipamentos, garante melhor desempenho do sistema de refrigeração.

A câmara fria para medicamentos é primordial para manter a potência e qualidade das vacinas. Portanto, é necessário a instalação de um equipamento com isolamento térmico nas paredes e teto, sendo formados por painéis isolantes, com partes laterais em chapas de aço e núcleo de isolamento térmico.

A câmara fria tem a capacidade de manter temperaturas positivas estáveis, para justamente conservar a qualidade e validade de substâncias provenientes de remédios e vacinas.  Por se tratar de medicamentos imunobiológicos termolábeis, as vacinas são extremamente sensíveis à luz e às variações de temperatura. É por isso que demandam cuidados especiais no que se refere ao seu armazenamento, para que sua qualidade seja preservada.

Esse tratamento faz parte da Rede de Frio, cuja função é regulamentar e financiar processos que envolvem a Cadeia do Frio. Para entender algumas partes disso, considere que a Rede de Frio, documento do Ministério da Saúde, diz que “É preciso que os equipamentos de refrigeração tenham volume suficiente para um mês de armazenamento”.

Dicas de recomendações:

  •  A Câmara fria para medicamentos devem ficar longe da radiação solar;
  • As salas de vacinação devem possuir climatização;
  • Os imunobiológicos devem estar entre 2 graus e 8 graus positivos;
  • É preciso manter a porta fechada da câmara fria;
  • A temperatura deve ter aferição diária;
  • As vacinas devem ficar nas prateleiras centrais e nunca inferiores.

Além da vasta variedade de existência de leis e normas regulamentadoras sobre saúde e segurança ocupacional, acidentes de trabalho ainda é muito comum entre instaladores de sistemas de refrigeração e climatização.

Quedas de escadas e andaimes, excesso de esforço físico, uso de materiais perfurocortantes e queimaduras causadas por gases e superfícies quentes são algumas das razões que mais levam a afastamentos de mão de obra entre as empresas do setor.

É por isso que o uso de equipamentos de proteção individual (EPI’s) é tão importante para o ramo. Afinal, o que são os EPI’s? são equipamentos de proteção utilizados para a segurança dos trabalhadores, conforme Norma Regulamentadora Nº 6 (NR-6), com a finalidade de proteger os trabalhadores contra os riscos aos quais estão submetidos.

Para o ramo de Refrigeração e Climatização,se faz necessário o uso de capacete de segurança, óculos de proteção, protetor auricular, luvas de segurança, botina de segurança, cinto do tipo paraquedista com talabarte e sistema trava-quedas, e para acesso à câmaras frigoríficas vale acrescentar o uso da calça térmica, japona e luvas, para regulamentação e boa realização de serviços para a profissão.

Se atentar coma saúde e segurança dos profissionais é a melhor forma de assegurar que o trabalho continuará à ser realizado com o mínimo de chances de imprevistos.

Você sabia que é necessário além de possuir um projeto, conhecer as especificidades de cada componente que será utilizado em sua câmara?

 

Como sabemos, atualmente o mercado dispõe de uma grande variedade de fornecimento e modelos para aquisição. Nem sempre é fácil escolher o equipamento certo para garantir a melhor opção entre custo e benefício de acordo com as operações do consumidor. Portanto, é essencial conhecer os detalhes de cada tipo de câmara fria disponível no mercado e, principalmente, entender como sua funcionalidade vai impactar nas operações da empresa, para evitar equívocos na hora de adquirir um equipamento.

Para que haja sucesso na escolha do equipamento correto, o responsável pela compra precisa se atentar nas especificações de de cada componente, como painéis e isolações, isolamentos de piso, modelos de porta, eficiência energética, tipo de utilização (resfriamento ou congelamento) e projeto.

Existe uma ampla faixa de funcionamento de câmaras frias para congelados, sendo comuns as que operam a -10ºC, -18ºC e até a -25ºC, utilizadas, respectivamente, para a conservação de gelo, de carnes, sorvetes. Já as câmaras frias para resfriados operam a temperatura de 8ºC, 4ºC e 0ºC. Sendo utilizadas para conservação de verduras, laticínios e carnes.

Para estabelecimentos que precisam resfriar ou congelar produtos que estejam em temperatura ambiente ou até mais quente devido ao procedimento anterior de industrialização, se faz necessária uma câmara de processo, a exemplo das usadas no resfriamento de bebidas, baixando da temperatura ambiente até a ideal para consumo.

 

Já abordamos aqui um pouco afundo sobre Câmaras Frigoríficas/Frias. Para relembrar, CLIQUE AQUI.

Nossas Câmaras para Congelados ou Resfriados são versáteis e práticas para atender diversas necessidades que surgem no mercado, sejam elas específicas ou não. Atuam em temperaturas que variam de +15ºC à -30ºC.

Temos como vantagens:

  • Painéis isotérmicos e equipamentos todos homologados pelos orçãos fiscalizadores;
  • Baixo consumo de energia;
  • Ótimo custo benefício;
  • Proporciona agilidade na montagem e desmontagem;
  • Proporciona rapidez e facilidade para limpeza e higienização;
  • Proporciona melhoria na qualidade final do produto;
  • Facilidade para manutenção preventiva e corretiva;
  • Ótimo visual;
  • Produtos recicláveis e corretamente ecológicos.

Leia mais

Com certeza você já ouviu os termos “Câmara Fria” e “Câmara Frigorífica”. Mas, você sabe o que cada expressão representa? Lhe apresentaremos:

A diferença está no nível de temperatura que atingem, como os próprios nomes sugerem.

→ Câmara Fria:

A câmara fria é utilizada para resfriamento. Conta com instalação de um conjunto de equipamentos, que criam um espaço de temperatura controlada, propícia para a conservação de elementos e materiais diversos que necessitam de temperaturas próximas a 0ºC, similar às funções de geladeiras convencionais.

→ Câmara Frigorífica:

A câmara frigorífica é utilizada para congelamento. Ou seja, o conjunto de equipamento instalado, atinge temperaturas mais baixas, algo em torno de -20ºC. Dessa maneira, o produto deve entrar congelado para se manter congelado.

Ao contrário do que pensamos, as câmaras não são utilizadas apenas no setor alimentício, podemos utilizá-las também para:

  • Vacinas e medicamentos;
  • Necrotérios;
  • Agronegócio (grãos, hortaliças);
  • Banco de sangue e materiais hospitalares;
  • Entre outros.